terça-feira, 24 de março de 2015

Um dos dilemas da manipulação psicológica



Pode durar meses ou anos, mas numa fração de segundos podemos compreender que não há mais infinito. No post “o nosso fado é outro”, conita riot mostra como o vídeo/canção “cansada”, promovido pela SIC e pela APAV, reitera, sem questionar, as dinâmicas viciosas que existem entre opressor e vitima. A letra e a sua representação versam tanto sobre a violência como a resignação da mulher, quando aquilo de que a vitima precisa é de energia, soluções e lucidez diante da manipulação psicológica de que é alvo. Porque a violência, muito antes de ser física, é psicológica. E essa é difícil de ser cantada. 

Um dos dilemas da manipulação psicológica é que não a vemos chegar. Ela é exímia e vem devagar, tão devagarinho que debilita pouco a pouco com a doçura da poesia na qual se apoia. O tempo é a variável chave de dominação, porque a felicidade está ali já ao virar da esquina. Mas ela não está dependente do ritmo da tua passada, mas daquele que possui o cronómetro. A caminhada pode durar meses ou anos, mas como a felicidade está ali tão pertinho de nós, podemos esperar, tolerar, aguentar qualquer coisinha. E é nesse compasso de espera, em que aguentas, pois claro que aguentas, que as piores manipulações ocorrem. Tu dizes que os factos são verdes e dizem-te que isso são vulgaridades vermelhas. Tu dizes que os factos são vulgaridades e dizem-te que isso não é real. Tu enches o peito para dizer que o que se está a viver é um facto e dizem-te que tu não compreendes o que se está a viver. 

Questionas assim a tua inteligência e sensibilidade ao amor que nos surpreendeu um dia e que afinal é assim tão raro. Bonitas palavras enchem essa espera, embora cruéis no seu pragmatismo, elas são românticas porque a felicidade está ali mesmo ao virar da esquina. Toda a gente sabe à nossa volta que esse compasso de espera não tem fim e que essa felicidade te é vendida a baixo preço, porque já expirou. Mas ainda assim, esperamos, esperamos, esperamos até que o inferno comece a dobrar-nos e nos ponha de joelhos, a implorar a felicidade que estava ali aos nossos pés. Mas numa fração de segundos compreendeste ou podes compreender que a espera não é obrigatória e que a felicidade pode estar ao virar da esquina, sem que ela tenha de ser cronometrada por alguém a não ser por ti mesma. 


Ver letra da canção aqui.     

Sem comentários:

Publicar um comentário