segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Para começar e terminar logo de seguida: o corpo dos outros não vos pertence

"Vemos os mais desfavorecidos, os mais excluídos, investirem com paixão o sistema que os oprime, e onde encontram sempre um interesse, visto que é aí que o procuram e avaliam. O interesse vem a seguir. A anti-produção espalha-se pelo sistema: amar-se-à a anti-produção por si mesma e o modo como o desejo se reprime a si próprio no grande conjunto capitalista. Reprimir o desejo, não só o dos outros, mas também o nosso, ser o chui dos outros e de nós mesmos -é isto que dá tesão, e isto não é ideologia: é economia.


O capitalismo recolhe e possui o poder dos fins e dos interesses (o poder) mas tem um amor desinteressado pelo poder absurdo e não possuído da máquina. Com certeza que não é para ele nem para os seus filhos que o capitalista trabalha, mas para a imortalidade do sistema. Uma violência sem sentido, alegria, pura alegria de se sentir uma peça da máquina, atravessada por fluxos, cortado pelas esquizes. Põe-se assim na posição em que se é atravessado, cortado, enrabado pelo socius, à procura do lugar onde, de acordo com os objectivos e com os interesses que nos são impostos, se sente passar algo que não tem interesse nem objectivo. Uma espécie de arte pela arte na líbido, um certo gosto pelo trabalho bem feito, cada um no seu devido lugar, o banqueiro, o chui, o soldado, o teconocrata, o burocrata, e porque não o operário,  o sindicalista...O desejo fica pasmado".

O Anti-Édipo - Capitalismo e Esquizofrenia, Gilles Deleuze e Félix Guattari, Assírio e Alvim, 1995 (1966), p.363.

Sem comentários:

Publicar um comentário