quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A veemência da realidade



Fumo um cigarro sozinha. Visualizo a partir de um quinto andar os fragmentos da memoria desses prédios altos onde se esconde o sol, atrás dos quais se encontra a fonte da controvérsia do desejo, das emoções e dos sentimentos em ebulição. O futuro parece-me veemente, não tanto quanto o presente. Entre x e y, a razão leva-me à distância quando o batimento do coração conduz-me à voragem dos traços deixados pelo encontro. O tempo leva tempo e é nesse tempo que tento contar sem limites e saborear o equilíbrio entre a vida e o sonho.    

Sem comentários:

Publicar um comentário